TEOSOFIA

QUE HÁ ALÉM DA MORTE

Existe a reencarnação? O que acontece quando nós morremos? Para onde vamos?  Para onde vai a essência das plantas e dos animais quando morrem? Há vida ativa depois da morte?

O que você conhece sobre o assunto já lhe deu subsídios para tentar responder alguma destas perguntas?

Se existe a reencarnação, por que e como ela acontece? E a lei do karma, como opera? O que determina que uns nasçam pobres e outros ricos, homens ou mulheres, com corpos perfeitos ou com algum defeito físico?

Por que você nasceu na família onde nasceu? Por que você tem facilidades para algumas coisas e dificuldades para outras? Enfim, por que você é o que é? E mais, Quem é você?

Fundada em 1875, nos Estados Unidos, por uma russa – Helena Petrovna Blavatsky – e por um americano – Cel. H.S. Olcott – a Sociedade Teosófica veio trazer ao mundo os ensinamentos relacionados com a sabedoria divina, muito esquecidos no ocidente. Esse conhecimento foi e continua sendo difundido pelo mundo inteiro, através dos livros escritos por seus membros, cuja finalidade é auxiliar a humanidade a encontrar o seu caminho. São livros bem didáticos e que muito nos ajudam a compreender o real significado da vida, que, no fundo, é o que todos buscamos.

Quantas pessoas que você conhece sofrem por não saberem o motivo de algumas coisas acontecerem? Situações inexplicáveis, incompreensíveis e aparentemente injustas. 

Quantas pessoas (talvez todos nós) choram a perda de algum ente querido? No entanto todos morreremos um dia. Algum de nós já se preparou para a morte? Pela nossa falta de hábito, você pode estar achando estranha essa nossa conversa e até  já ter batido três vezes na madeira. Mas tente seguir em frente. A ilusão causa muita dor.

Os seres humanos conhecidos e amados continuam a viver após a morte do corpo? Tornaremos a vê-los? Quando e como?

“A Teosofia sempre existiu  e seus ensinamentos são fundamentados em séculos de pesquisas conduzidas cientificamente, cujos resultados foram conferidos e reconferidos por sucessivas gerações de videntes treinados”.

Mais algumas perguntas:

- Em que condições a alma desperta depois da morte?

- Há continuidade de personalidade, com memória, afeto, simpatia e interesses perduráveis?

- Há nessa outra vida tempo, negócios, trabalho, pressão, ou ficamos livres de tudo isso?

- Pode alguém fazer planos para sua própria vida depois da morte do corpo?

O autor (médico norte americano) Geoffrey Hodson nos explica que todos nós possuímos uma faculdade, espécie de sexto sentido, latente na maioria das pessoas e desperta numas poucas, que será usada  normal e naturalmente por futuras raças (atualmente estamos na quinta sub-raça da Quinta Raça -  para maiores esclarecimentos ver bibliografia no fim deste artigo).  Quando desenvolvida nos dias de hoje, essa faculdade habilita seu possuidor a fazer o que as futuras raças da humanidade farão, isto é, explorar em primeira mão e em consciência completamente desperta o mundo da vida após a morte, encontrar seus habitantes face a face e estudar com precisão científica como vivem.

REVENDO A VIDA PASSADA

Em quase todos os casos o homem está inconsciente da morte como está do sono. Passamos, por assim dizer com um suspiro, deste mundo para o próximo. Nesse momento acontece um processo de revisão de nossa vida: passam por nossos olhos mentais os acontecimentos principais da vida que acabou, suas causas e efeitos, os sucessos e seus resultados, omissões e conseqüências. Tudo é visto e avaliado. É preciso silêncio nessa hora.

O QUE ACONTECE DEPOIS

Não é uma  terra estranha. Neste ponto, o Sr. Hodson diz algo que para muitos é difícil de acreditar, mas por ser verdade e por sua importância devemos afirmá-lo. O mundo  para o qual nossos amigos foram, e para onde iremos um dia, não é  uma terra estranha. Vamos lá todas as noites enquanto nosso corpo físico dorme. O sono foi chamado, com muita propriedade, o irmão gêmeo da morte. Enquanto o corpo físico dorme, ficamos despertos no corpo que usaremos depois da morte e que a teosofia chama de Corpo Astral (ver bibliografia). Nossos sonhos são, em parte, lembranças mais confusas ou mais nítidas da nossa vida nesse mundo, que trazemos de volta ao acordar. A diferença entre o sono e a morte é que continuamos ligados ao corpo físico por um fio chamado de “Cordão de Prata”. Na morte esse cordão é partido e como não temos mais laço com o corpo físico, não voltamos mais para ele.

O autor nos adianta que as condições nas quais vamos nos encontrar depois da morte dependerão do nosso temperamento e da natureza da vida que estamos levando.  Cada um de nós vai ver o mundo ao seu redor através das janelas do seu temperamento. Temos a tendência de procurar e depois da morte o que mais nos atraiu na terra.

O ARTISTA, O CIENTISTA, O HOMEM DE NEGÓCIOS

O cientista estará mais próximo do mundo das causas, mais perto estará da verdade que busca, livre dos véus da matéria. Observará com muito mais clareza as leis e as forças sob as quais os átomos se combinam;  verá o desenvolvimento do protoplasma para a célula e de uma simples célula para o homem – grande mistério para o biólogo. Muitas descobertas realizadas por cientistas nesse mundo são captadas por mentes encarnadas aqui na Terra, pois há considerável ligação e intercâmbio de pensamentos entre os habitantes dos dois mundos. 

O músico também terá seu caminho mais aberto para uma compreensão mais ampla e profunda de sua arte. A música tem nos planos interiores aspectos que normalmente desconhecemos aqui. Pode-se  verificar que o som não é só ouvido como visto.  A música produzirá diferentes formas e cores de acordo com sua natureza e intenção do compositor e/ou intérprete. Assim como a música, verificamos que o pensamento é uma força poderosa o bastante para afetar a vida de outros, bem como o auxílio a si próprio, se usado devidamente.

O homem de negócios, por força do hábito, tende a permanecer nas proximidades de seu comércio, mesmo depois da passagem, continua Hodson. Mas vê logo que sua presença não é notada por seus colegas, nem seu pensamento consegue atingi-los. Felizmente, com a ajuda de “auxiliares invisíveis”, vai descobrindo seu novo estado e percebendo as vantagens do novo corpo que está usando, os interesses mais amplos e a maior liberdade da vida, onde não há necessidade de alimentos, roupas, transportes.

O religioso, o servidor, o altruísta, o médico, psicólogos, todos os que sabem, podem e querem ajudar, terão muito  que fazer. Há muito mais gente lá do que aqui precisando.

A CRIANÇA DEPOIS DA MORTE

A Teosofia nos ensina que existem outros seis planos de existência além do físico. Depois da morte passamos por dois deles: O Plano Emocional ou Astral e o Plano Mental. O tempo que (e o modo como) cada um de nós vai passar num e noutro dependerá de vários fatores, entre eles o nosso karma (que veremos daqui a pouco).

A reencarnação rápida parece ser regra geral, principalmente entre crianças que morreram bem cedo. Um débito contraído com a Natureza por alguma transgressão em vida anterior, foi pago, e uma nova oportunidade se abre na vida física, único local em que  podemos evoluir. A terra é nossa escola (Leia e dê de presente para as  crianças o livrinho “Pingo de Luz” ver no final). Se a mãe está novamente grávida logo nos próximos anos, o novo corpo da criança poderá muito bem ser o veículo da que morreu. Algumas mães parecem saber instintivamente que a mesma Alma espiritual está de volta.

EXISTE MORTE?

O nascimento não é o começo da nossa existência, nem a morte o seu fim. No nascimento somente o corpo nasce; e apenas o corpo morrem morte física. Para nosso verdadeiro EU não há morte. Nascimento e morte são incidentes normais na longa estrada que estamos percorrendo e que nos conduzirá, mais cedo ou mais tarde, de volta à casa do Pai. É para isso que estamos aqui: para aprendermos e vivermos o real significado da vida.

REENCARNAÇÃO

A reencarnação é uma verdade compreendida por milhões de criaturas durante séculos e moldou o pensamento dessa maioria. Perdeu-se na Europa em épocas de obscurantismo. “Como um ensinamento tão antigo e valioso pôde se apagar assim do espírito humano?” Há mais ou menos um século, um grande Ser nos lembrou que a Reencarnação e o Karma são duas doutrinas que o Ocidente mais precisa.

O QUE É REENCARNAÇÃO?

É o ingresso repetido num invólucro físico ou carnal. Tudo evolui: minerais, vegetais, animais, nós e os super-humanos. Há evolução da vida, da forma e da consciência (Lendo alguns dos livros citados, você terá uma idéia melhor do que seja essa evolução). Somos instrumentos que a cada dia, a cada vida podemos nos tornar mais perfeitos para reproduzir harmonias mais bonitas. Nós, seres humanos, somos o elo de ligação entre o animal e o Divino.  Precisamos unir esses dois aspectos: levar o Espírito à consciência de si mesmo em todos os planos (são 7 planos), e levar a matéria a ser a manifestação perfeita desse Espírito.

Esta é a sublime tarefa de todos nós e o seu instrumento  é  a Reencarnação.

E QUAL É A CAUSA DAS REENCARNAÇÕES?

O desejo de provar a existência no plano físico é a causa das reencarnações. O desejo tem que existir até ter sido feita a colheita de experiências suficientes; enquanto houver falta de experiência retornaremos sucessivas vezes.

Cada existência é como se fosse uma refeição que fizéssemos. O alimento – tudo o que fizemos de bom e de mal -   é  ingerido numa vida. A “digestão” se dá depois da morte nos planos que já falamos. Alimentada, a ânsia de existência terrestre sacia-se temporariamente e temos o desejo da sesta, para descansar e assimilar o que aprendemos. Nosso “organismo” faz a separação  entre o que é bom e útil do estéril e inútil. Chega um dia em que sentimos fome novamente e com ela o desejo de renascer na vida física.

KARMA

O quando e o como iremos renascer vão depender das condições em que vivemos a vida anterior. Todos os nossos “pensamentos, palavras e atos” foram  devidamente registrados; as causas que geramos deram seus efeitos; o bem e o mal que fizemos  serão os frutos que colheremos na vida seguinte. Você já ouviu esta máxima: “O que o homem semear, isto ele colherá”, que não é nada mais, nada menos do que os orientais chamam de A Lei do Karma, a lei da causa e do efeito. As  Leis do Karma, da Reencarnação e da Evolução são as três leis que governam a vida.

O que estamos seguindo nesta vida atual são as tendências e inclinações que dominaram a nossa vida interior. Daí a importância fundamental na escolha de nossos ideais e aspirações. Estamos construindo hoje o que será nossa vida futura; portanto, atenção e cuidado com o que desejamos, porque iremos consegui-lo.

O QUE DETERMINA O SEXO?

O Ego, ou EU superior, ou Espírito não tem sexo; precisa das experiências dos dois. Força, firmeza e valor; e ternura, pureza e paciência devem mesclar-se tanto num, quanto noutro.  Já nascemos e deveremos renascer em sexos diferentes diversas vezes. Os motivos irão variar,  mas sabendo disso nossas considerações precisarão ser revistas, pois amanhã poderemos estar ocupando um corpo de sexo, cor, nacionalidade ou religião que hoje discriminamos. É o resultado de nossas ações – regulado pela Lei do Karma -  que determinará as condições da nossa vida futura: a família em que iremos nascer, a profissão e o ambiente de trabalho, facilidades e dificuldades, a cidade, o país e tudo mais.

E O LIVRE- ARBÍTRIO?

Você poderá perguntar: “Mas, e o livre-arbítrio, não existe?” Existe em parte. Há um meio-termo entre a fatalidade e o livre-arbítrio total.  No livro “A Doutrina do Karma” você encontrará exemplos muito belos e elucidativos sobre esta diferença.

OBJEÇÕES À REENCARNAÇÃO

Perda da memória – Muitos perguntam: “Por que esquecemos as nossas vidas anteriores?”  Nosso cérebro não se  reencarna. A cada encarnação mudam nossos princípios inferiores; os corpos físico, astral e mental; a memória pertence ao corpo físico. Por isso, somente pessoas que possuem certas faculdades mais desenvolvidas conseguem se lembrar.  A natureza é sábia e nos protege com esse esquecimento. Imagine se você soubesse que alguém que está do seu lado lhe fez um grande mal em vidas passadas, ou vice-versa! Como seria?

PROVAS DA REENCARNAÇÃO

- Por que moral e intelectualmente somos tão diferentes? Semelhanças físicas e particularidades estão presentes numa mesma família. Mas que leis explicam as diferenças de capacidade mental e caráter moral?

A reencarnação explica essas disparidades de capacidades e de oportunidades. Como explicar destinos tão desiguais para quem vem pela primeira vez à vida?  Tudo tem uma causa anterior. Somos os únicos responsáveis pelo que nos acontece; somos nossos próprios legisladores.

Não tenha receio de pensar sobre o que estamos vendo aqui. Milhões de pessoas antes de nós já o  fizeram -  e continuam fazendo.  Os egípcios, os indianos, caldeus, druidas, gregos e africanos, entre outros, professavam esta doutrina.  Pitágoras: “A  doutrina da Reencarnação explica a desigualdade observável nas nossas vidas”. Os filósofos judeus também foram influenciados pelo pensamento platônico e pela escola dos essênios, que adotavam a crença no renascimento. O Essenismo apareceu entre o povo judeu um século antes do nascimento de Jesus.  Quando Jesus nasceu, estava no auge de sua influência, o que contribuiu para a divulgação da verdade da reencarnação entre os judeus.

Na primitiva  igreja cristã havia uma doutrina esotérica (oculta) e uma parte dela consistia no ensino da preexistência da alma. Para a massa Jesus falava por meio de parábolas, mas para seus discípulos  revelava verdades mais profundas. Vários concílios colocaram-se contra a reencarnação  até que, no século VI, Justiniano publicou uma lei que considerava hereje quem a professasse.

O ensino da REENCARNAÇÃO e do KARMA, como hoje podemos entender, chegaram  ao Ocidente no século passado, com HELENA PETROVNA BLAVATSKY  e a fundação da SOCIEDADE TEOSÓFICA. Graças a ela e a outros dedicados colaboradores, esse conhecimento encontra-se espalhado pelo mundo, através de centenas de livros e de escolas, na tentativa de acelerar o desenvolvimento da humanidade e elevá-la espiritualmente.